Alzheimer: Como prevenir a doença através da Alimentação
Dia 21 de Setembro comemora-se o Dia Mundial da Doença de Alzheimer, data que pretende sensibilizar
para a doença degenerativa que representa cerca de 50 a 70% de todos os casos de demência.
Esta doença é caracterizada por um declínio progressivo das funções cognitivas, com alterações no comportamento,
na personalidade e na capacidade funcional da pessoa, com especial enfoque em pessoas com mais de 65 anos.

Com o aumento da esperança de vida, é cada vez mais importante preservar e estimular a atividade cerebral,
através de hábitos de vida saudáveis.
O QUE É A DOENÇA DE ALZHEIMER?
A Doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência. Estima-se que em Portugal 182 mil pessoas sofram de demência, 1,71% da população, das quais 130 mil representam a doença de Alzheimer.

Esta doença, classificada como um transtorno mental e comportamental, é caracterizada por um declínio progressivo e irreversível das funções cognitivas, com perda das competências do dia-a-dia, ao nível da comunicação, desenvolvimento de atividades quotidianas básicas e comportamento social.

Começa por se manifestar, numa primeira fase, através do esquecimento, de estados de ansiedade e depressão. Seguidamente, a falta de memória agrava-se e surge uma desorientação geral. Surgem depois alterações de personalidade, por vezes, com manifestações de agressividade, alterações na linguagem e apatia. Num último estágio, verifica-se uma fase vegetativa.

Como maiores fatores de riscos, os estudos apontam para a idade, sendo que uma em cada quatro pessoas com mais de 85 anos sofre de demência; o baixo nível educacional, associado a uma eventual menor atividade intelectual; problemas cardiovasculares, diabetes e inatividade física. 
A ALIMENTAÇÃO COMO FATOR PROTETOR
O fator protetor advém da adoção de um estilo de vida mais saudável, onde a alimentação se assume como o elemento chave. Neste sentido, é fundamental nutrir o cérebro, com um correto aporte de nutrientes necessários ao seu normal funcionamento. 

SUBSTÂNCIAS NATURAIS ESSENCIAIS

Fosfolípidos
Os Fosfolípidos são os constituintes principais das membranas celulares, responsáveis pela formação da componente estrutural do tecido cerebral e fornecimento de energia às células, permitindo uma condução mais rápida dos impulsos nervosos. O correto aporte destes componentes está associado a uma melhoria da memória, redução do declínio mental e aumento da capacidade cognitiva, bem como da capacidade de concentração.
A Lecitina de Soja é, atualmente, apontada com uma referência na prevenção e tratamento de distúrbios da memória, situações de fadiga e cansaço cerebral. A sua elevada concentração em Fosfolípidos, atribui-lhe o estatuto de regenerador natural das células cerebrais.
O aporte de Fosfolípidos pode também ser garantido pelo Suplemento alimentar Mental+.

Vitamina C, Vitamina E e Selénio
As Vitaminas C, E e o Selénio são micronutrientes com uma ação antioxidante, capazes de proteger os neurónios contra o stress oxidativo.
O stress oxidativo é uma situação em que ocorre um desequilíbrio entre a produção de substâncias capazes de provocar lesões nas células e nas defesas do organismo capazes de reparar os danos por elas causados. Este desequilíbrio é manifestado precocemente na fisiopatologia da Doença de Azheiemer, sendo uma das razões apontadas para a perda de capacidades. O aumento da ingestão de nutrientes com capacidade antioxidante, acarreta benefícios, tanto na prevenção, como no atraso da progressão da doença.
Como maiores fontes destes nutrientes, podemos destacar o Camu camu (Vitamina C), o Gérmen de Trigo (Vitamina E) e as Sementes de Girassol (Selénio).
Ómega 3
Os Ácidos Gordos Essenciais, nomeadamente o Ómega 3, são apontados como os maiores aliados na prevenção de demências. Um estudo desenvolvido pelo Departamento de neurologia, saúde pública e medicina preventiva da Oregon Health & Science University, em Portland, conclui que pessoas com uma dieta rica em ómega 3 estão menos propensas à diminuição do volume do seu cérebro e mais aptas a obter melhores classificações em testes de habilidade mental. O Ómega 3 não é sintetizado pelo organismo, e por isso tem que ser obtido através da alimentação. A Linhaça Dourada Moída, as Sementes de Chia e os frutos secos apresentam-se como as principais fontes, de origem vegetal, deste elemento. 

Vitamina D
A Vitamina D assume-se como essencial para o normal desempenho cognitivo, nomeadamente no planeamento, processamento e formação de novas memórias. Baixos níveis desta vitamina têm também sido associados a um maior risco de desenvolver depressão, osteoporose, doença cardiovascular e diabetes, que por sua vez são fatores de risco para o desenvolvimento de demências.
Conheça o Suplemento alimentar Multivitaminas de A a Z, uma resposta às necessidades diárias de Vitamina D. 

Magnésio
O Magnésio é um mineral essencial para o bom funcionamento dos neurónios. Sabe-se que este micronutriente apresenta uma influência positiva nas capacidades de aprendizagem e memória, sendo que a manutenção dos níveis de Magnésio está associada a uma menor incidência da perda de função cognitiva.
Conheça o nosso Suplemento alimentar Magnésio +.

Ginkgo biloba
O Ginkgo biloba é uma planta com uma forte função antioxidante e ação fisiológica ao nível da circulação e da atividade cerebral. Melhora a circulação sanguínea e combate os radicais livres, responsáveis pela destruição das células e aceleração do processo de envelhecimento. Uma ajuda preciosa para melhorar as capacidades de memória e de aprendizagem.
Conheça a apresentação em Chá para Infusão e o Suplemento alimentar.
No decurso da Doença, da Alimentação devem eliminar-se todos os produtos processados e os açúcares. Privilegiar o consumo de cereais naturalmente isentos de glúten (arroz, milho, quinoa, millet), alimentos ricos em ácidos gordos (óleo de linhaça, cânhamo descascado, sementes de chia), frutas e legumes com uma ação antioxidante (espinafres, espargos, beterraba, frutos vermelhos, kiwi, limão) e de gorduras como o azeite e o óleo de coco. Conheça alguns destes alimentos aqui.
ATIVE O SEU CÉREBRO PELA MANHÃ
Descubra, aqui, uma receita simples para o seu pequeno-almoço, que vai ajudar a “despertar” o seu cérebro e a ativar todas as suas funções cognitivas!

Uma receita de fácil e rápida preparação, para revitalizar a mente, através de alimentos repletos de nutrientes essenciais ao bom funcionamento das funções cerebrais. 

 
Dicas
QUEBRAR A ROTINA
Estimular o cérebro é importante para a saúde da memória e consequente para a prevenção da Doença de Alzheimer.

Mude alguma coisa na sua rotina, frequentemente:

 
  • Use o relógio de pulso no braço contrário ao habitual;
  • Execute tarefas rotineiras como escovar os dentes com a mão contrária à habitual;
  • Ande pela casa de trás para a frente;
  • Vista-se de olhos fechados;
  • Estimule o paladar comendo alimentos diferentes do habitual;
  • Veja fotografias de cabeça para baixo;
  • Faça um caminho diferente para ir para o trabalho ou outro local para onde se desloca frequentemente.

MASSAGEM TERAPÊUTICA
Coloque umas gotas de Óleo essencial de Alecrim ou Salva numa colher de chá de Óleo de Amêndoas Doces e massaje as têmporas por alguns minutos, todos os dias.
Artigo Desenvolvido pelo Gabinete de Aconselhamento Nutricional da Ignoramus
Pubicado a 21 de Setembro de 2016

Este artigo é da total responsabilidade da Ignoramus. A informação disponibilizada é imparcial e pretende estar de acordo com a evidência científica mais recente. A informação presente não substitui a consulta e/ou aconselhamento por um profissional de saúde.

 
Fontes:
Alzheimer's disease guide [Internet]. Boots WebMD. [Acedido em 2016 Setembro]. http://www.webmd.boots.com/alzheimers/guide/default.htm
A Doença de Alzheimer [Internet]. Alzheimer Portugal. [Acedido em 2016 Setembro]. http://alzheimerportugal.org/pt/text-0-9-30-14-a-doenca-de-alzheimer
Harrison FE. A critical review of vitamin C for the prevention of age related cognitive decline and Alzheimer’s disease. J Alzheimers Dis. 2012.
Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Tabela da composição de alimentos. Lisboa: INSA; 2015.Morris MC,
Tangney CC. Dietary fat composition and dementia risk. Neurobiol Aging. 2014. Lim GP, Calon F, Morihara T, Yang
F, Teter B, Ubeda O, et al. A diet enriched with the omega-3 fatty acid docosahexaenoic acid reduces amyloid burden in an aged Alzheimer mouse model. J Neurosci. 2005. 
Fale Connosco
Ao usar este website, está a aceitar a utilização de cookies para análise, conteúdo personalizado e apresentação de anúncios.